Os cabelos

O cabelo sempre foi um símbolo de beleza, saúde e vitalidade. Além de constituir uma fonte de calor e proteção, representa uma parte importante da nossa imagem.

Por razões estéticas os cabelos sofrem com os conceitos de beleza de cada época, sendo sujeitos a pinturas, cosméticos e costumes que os prejudicam, por vezes de forma irreparável. São também afetados por fatores como os genes, a alimentação, a higiene, o stress, doenças e disfunções do organismo, tratamentos clínicos, e o meio ambiente.


Tipos de cabelo

Dentro do útero materno, estamos cobertos por um tipo de cabelo designado por lanugem, que mais tarde dá lugar ao velo - um cabelo fino, curto e sem cor, que cobre todo o nosso corpo, com exceção das palmas das mãos, das solas dos pés, dos lábios, dos genitais, e das áreas onde temos o cabelo dito terminal, que é mais forte e visível: cabeça, sobrancelhas, pestanas, axilas, zona púbica, e nos homens também o rosto.


Estrutura do cabelo

O cabelo é composto por queratina, uma proteína fibrosa que desempenha um papel importante na constituição das unhas, e das camadas exteriores da nossa pele. A queratina, como qualquer proteína, é composta por aminoácidos.

A raíz do cabelo e parte da haste encontram-se por baixo da pele, inseridos no folículo, que constitui a parte viva do cabelo, protegida e alimentada sob o couro cabeludo. Na base deste encontra-se a papila, um conjunto de células que produzem a queratina, dando assim origem aos fios de cabelo. Cada folículo está rodeado por vasos capilares, que lhe fornecem nutrientes, e excluem os desperdícios através do sistema linfático. O folículo encontra-se igualmente ligado a uma glândula sebácea, responsável por segregar o óleo necessário para nutrir e hidratar a haste do cabelo.


Padrões de crescimento e queda de cabelo

Aspetos como a cor, a espessura e comprimento do cabelo são hereditários, assim como o número de cabelos. O nosso padrão capilar é estabelecido antes do nascimento. O cabelo cresce e renova-se constantemente, mas vai perdendo ao longo do tempo a sua forma vigorosa, tornando-se mais fino e escasso.

A cor é determinada por pigmentos localizados na haste: se o pigmento dominante for a melanina, o cabelo (ou pêlo) será escuro; se o pigmento principal for a feomelanina, a sua cor será amarela (cabelo louro) ou avermelhada (ruivo).

Um ser humano tem em média entre 100.000 a 150.000 cabelos, que têm um tempo de vida médio de 3 a 5 anos, no caso dos homens, ou até 6 anos, no caso das mulheres. Após este tempo, o cabelo cai e é substituído por novo cabelo. Qualquer pessoa pode perder diariamente, de forma normal, entre 50 e 100 cabelos.


Ciclo de vida do cabelo

O ciclo de vida do cabelo é composto por três fases: anagénese, telogénese e catagénese. A anagénese corresponde ao período de crescimento, que dura anos. Segue-se a catagénese, durante a qual não são produzidas novas células. A telogénese é a fase em que o cabelo morto cai, sendo empurrado pelo novo. Assim, uma "farta cabeleira" depende da duração da nossa fase de anagénese, e da qualidade do cabelo novo que substitui aquele que se perde durante a fase da telogénese.


O papel das hormonas

O aumento da actividade hormonal, como durante a puberdade, influencia o crescimento e perda do cabelo. O estrogénio (hormonas femininas) estimula o crescimento, enquanto a testosterona (hormonas masculinas) provoca o efeito oposto. Através da ação da enzima 5-alpha reductase sobre a testosterona, que resulta no subproduto DHT (Dihidrotestosterona), o cabelo torna-se mais fino e cai. É o caso da calvície masculina, ou alopecia androgenética, que afecta também mulheres.

É também na puberdade que pode surgir um sinal precoce desta disposição genética, através de um cabelo demasiado oleoso, e que cai em demasia durante a lavagem.


Outros fatores que afetam o cabelo

Com a idade, mesmo em homens que não ficam calvos, o cabelo torna-se mais fino e perde pigmentação. Isto também ocorre nas mulheres, especialmente após a menopausa. Neste caso, o cabelo pode ficar mais fino e quebradiço, como consequência da menor produção de estrogénio.

Muitos outros fatores podem afetar o aspeto, comprimento e qualidade dos cabelos, através da carência de nutrientes no couro cabeludo. As doenças, o stress, a má alimentação, e os medicamentos podem perturbar o metabolismo do corpo, privando as células dos nutrientes essenciais a um cabelo saudável.


O couro cabeludo

Ao falar de cabelos é frequente esquecermo-nos da importância de um couro cabeludo saudável. Quando o equilíbrio natural do couro cabeludo é alterado, devido ao uso de champôs ou de químicos, ou devido a stress ou má nutrição, regista-se um aumento da produção de queratina, o que aumenta o número de células mortas, e provoca caspa. Esta constitui um alerta de que algo não está bem no couro cabeludo, assim como o aumento das glândulas sebáceas, que destroem a base do folículo, deixando o cabelo mais vulnerável.

A existência de fungos no couro cabeludo, embora pouco frequente, pode também facilitar a queda de cabelo, ao diminuir os níveis de oxigénio que chegam ao folículo capilar.

Assim, é fundamental manter o couro cabeludo sempre limpo e arejado, através de hábitos de higiene regulares, champôs adequados, e evitando adornos apertados, como chapéus ou bonés, que dificultem a sua respiração.

© 2018 Eurocabe - Instituto Europeu para Novos Cabelos
Bright - Web Agency